Arte Cultura e lazer

Avoou: eu tava lá…

Escrito por Redação

Por Cristiane Velasco

Avoou: Eu tava lá… é a história de como me tornei contadora de histórias.

Inicialmente intitulada Alvo: Uma história de rendas e retalhos, a narrativa nasceu em 1998, a partir de um estudo proposto por Regina Machado durante Especialização em Arte-Educação, na ECA/USP.

Foto: MayaraTutumi

Inspirada em meus sonhos recorrentes de menina que voava e respirava dentro d’água, escrevi a primeira versão do texto. Percebi, com clareza, como havia crescido com essa saudade, sonhando viver de novo a sensação primeira, mas quanto mais eu a buscava, mais aumentava minha coleção de retalhos.

Até que comecei a contar histórias e esta arte rendeira veio me costurando por dentro, reunindo retalhos de experiências. Mergulhei avoando nas narrativas de tradição oral e foi aí que encontrei dois mitos de criação, ou talvez os mitos tenham me encontrado.

Segundo a cultura Guarani, cuja origem remonta às raízes Tupi-Guarani, o primeiro ser humano era leve, como se fosse feito de vento luminoso, algo assim como um Ser Pássaro ancestral. Por sua vez, o povo Karajá preserva nas profundezas de sua sabedoria a memória cultural de que veio do Espírito das Águas, da mutação dos peixes-aruanã. Coisas simples de contar, mas estranhas de entender. Na herança espiritual desses mistérios, eu me reconheci. Em profunda e leve alegria de pertencimento, recordei a criança em mim, o mito pessoal de criação, sonhado e ressonhado na infância.

Nas palavras de Julia, 7 anos, eu me reencriancei!

Apresentei pela primeira vez a história em 2003, integrando o repertório Avoou: Contos Brasileiros, do meu projeto Dançando Histórias. Segui. Avoando alto e mergulhando fundo no imaginário dos contos, em busca do traçado de minha própria história, pois não importa se somos adultos ou crianças, contar e ouvir histórias são formas de brincar, de criar vínculos.

Assim, fui percebendo que é possível estar lá no Tempo sem tempo do Era uma vez, contando histórias tradicionais como se fossem histórias de vida. Inspirada na presença dos contadores populares que se colocam dentro do conto quando dizem Eu tava lá, minha gente! Aprendendo com as histórias brincadas pelas crianças no eterno Faz de conta que eu era

Avoou: Eu tava lá…, atual título dessa aventura, é a história de Clara buscando rendar caminhos na confusa Cidade dos Retalhos, reconto da minha menina que se reencontrou na arte de contar histórias de boca. Sim, eu tava lá

Contemplado pelo Proac Editais 2017: criação e publicação de livro infantojuvenil, com produção de Clarissa Ximenes, será publicado em 2018, ilustrado por Gra Mattar, que também tava lá, onde o céu encontra o mar e o mar encontra o céu, imaginando no horizonte a história em sonho ilustrado.

O livro envolve as ilustrações criadas por ela e também aquelas imaginadas por cada um durante o mergulho nos áudios de histórias de boca que acompanham o projeto. Essa ideia me belisca faz tempo, porque nunca esqueci a experiência de escutar os contos da coleção de disquinhos em minha vitrola cor de laranja, quando menina. Fecho os olhos e posso estar lá novamente, agora. Foi a memória dessa escuta criativa que moveu as gravações. As histórias estão hospedadas em plataforma virtual, criada e animada por Cecília Schiavo, e podem ser ouvidas através do leitor de QR Code presente no livro.

Iniciamos o processo de gravação e edição em 2011, em parceria com Guilherme Sapotone, profissional da área e pai de alunos da Casa Redonda, espaço de educação infantil onde trabalhei por 12 anos.

Gravação em 2011 (foto: Haroldo Omaki)

Buscando preservar a espontaneidade da interação e chegar o mais próximo possível da experiência em si, do eu tava lá dentro das histórias de boca, fomos costurando retalhos de áudios gravados ao vivo enquanto contava na escola e outros captados em estúdio.

Selecionamos os contos preferidos, e as crianças participaram dessa escolha. Nenhuma das histórias adquiriu a forma registrada sem que antes tivesse sido contada e recontada para e com elas. Músicos parceiros vieram enriquecer o trabalho. Da brincadeira entre contadora, crianças, músicos e editor de som nasceram os áudios, agora revisitados e integrados ao livro.

Avoou: Eu tava lá… é história de vida ilustrada e tapete avoador das histórias de boca mais contadas em vinte anos de trajetória.

Dia 19 de maio, na Livraria da Vila, teremos tarde de lançamento com autógrafos. Eu e a musicista Renata Mattar iremos contar e cantar Avoou: Eu tava lá...

Avoa!!!
Onde: Livraria da Vila / Rua Fradique Coutinho, 915. Vila Madalena.
Quando: Das 15h às 18h. Contação às 16h.

Foto em destaque: Fernando Almeida

Sobre o autor

Redação

O Jornal d'aqui digital é uma prestadora de serviços que atua com comunicação na região da Granja Viana, Cotia (SP). Nasceu originalmente em 1979 como mídia impressa e assim atuou durante 35 anos. O formato atual surgiu a partir de um movimento de amigos/leitores inconformados com o encerramento de suas publicações.

Deixe um comentário