Colunistas Duplamente Juliano e Pedro Labigalini

Figurinha repetida não completa álbum

Não foi minha escolha! Desde que eu era um simples zigoto, já possuía tal peculiaridade. Para mim é algo normal, para os outros, motivo de entretenimento.

A peculiaridade a qual me refiro é um irmão gêmeo. O fato de ter uma pessoa igual a mim é meramente cotidiano, porém, para os outros, é como um estopim para a pergunta:
– Vocês são gêmeos? – claramente a pergunta é feita sendo que a resposta já é conhecida.
– Não, conheci essa cara agora! – respondemos juntos implantando uma dúvida na pessoa

O pensamento humano diverge muito nas questões políticas e de valores, mas é realmente parecido quanto ao comportamento com algo inesperado, tanto que é possível esquematizá-lo.

E esquematizando, vemos que, após a pergunta inicial que todos fazem, a dúvida que vem em seguida é, em 90% dos casos, uma piada infame, própria para uma ceia de natal, comparável à do pavê (ou pacmuê), a qual rirá somente aquele que a fez.

Dentro desse grupo de piadas, estão inclusas as seguintes: “já trocaram de namorada?”, “já fizeram a prova um do outro?”, “se eu der um soco nele, você sentirá?”.

Após a sessão de stand up comedy, são feitas perguntas que até fazem certo sentido: “já se confundiram?”, “já imaginou se te trocaram no berço e você é o Juliano e ele o Pedro?”, “a mãe de vocês já confundiu quem é quem?”.

E, como para as perguntas anteriores, a resposta é não.

Como eu vejo somente meu irmão, para mim ele é uma outra pessoa e não alguém igual a mim. Porém, quando os outros veem de fora, são dois indivíduos idênticos.

E, como ia dizendo, o ser humano é tão parecido que outro dia vi gêmeos passando na rua. Achei sensacional! Chamei-os animado, achei engraçado o fato de serem duas pessoas iguais e, distraidamente, executei o protocolo.

Disparei: – Vocês são gêmeos?

Sobre o autor

Juliano e Pedro Labigalini

Gêmeos idênticos unidos sempre. Apaixonados pelas questões do mundo afora, buscando expressar através de imagens e textos como veem o mundo.

Deixe um comentário