Ao redor Colunistas Joelma Somlo

Fundação Ema Klabin vale a visita

Escrito por Joelma Somlo

Atualmente, fala-se em independência feminina, conquista de autonomia das mulheres, igualdade de gênero, etc.

Enquanto isso, alimenta-se nosso imaginário com a ideia da mulher brasileira, nossas antecessoras, sempre dependentes de pai, irmão, marido ou filhos. Entretanto, há incontáveis casos de mulheres, de diferentes classes sociais, que, ao longo de nossa história, quebraram o paradigma da submissão feminina.

Um desses exemplos é o de Ema Klabin, filha de imigrantes judeus lituanos que se transferiram ao Brasil na última década do século XIX e constituíram um império na indústria de celulose do nosso país. Nascida em 1907, Ema assumiu as funções paternas (que faleceu em 1946) no conselho da Klabin e desenvolveu, além de sua carreira empresarial, atividades culturais e filantrópicas de importância para a cidade de São Paulo.

Para quem quer conhecer melhor a trajetória desta pioneira, está disponível ao público em geral, seu acervo, reunido e conservado em uma maravilhosa casa de 900 m2 de construção, inspirada no Palácio de Sanssouci, em Potsdam (Alemanha) localizada em um terreno de 4000 m2 que fica no Jardim Europa (Rua Portugal, 43).bibliotec

Em uma visita à Fundação Klabin, você entra em contato com a natureza, passeando pelo jardim, fazendo um piquenique, observando lindas carpas e orquídeas; conhece pinturas brasileiras e europeias de períodos e estilos diferentes, descobre mudanças nos costumes por meio de preciosidades em tapeçaria, prataria, mobiliário e louçaria; aprecia peças da Antiguidade Clássica elaboradas em mármore, cerâmica ou bronze; entra em contato com objetos da arte oriental, africana e pré-colombiana; se surpreende com obras literárias raras e fica admirando a força desta mulher que também foi a doadora do terreno onde foi construído o Hospital Israelita Albert Einstein.

Como se tudo isso não fosse suficiente, a Fundação ainda disponibiliza visita monitorada (apenas durante a semana) e promove atividades artísticas e culturais tão ecléticas quanto seu acervo.

Veja a aqui a programação:

evento ema klabin

Agora, se você for um leitor frequente desta coluna, perceberá que este espaço é um pouco diferente dos que eu indiquei anteriormente, pois, embora a Fundação receba alegremente visitantes mirins, acho que estes não vão curtir tanto o local. Mas vamos dar um desconto, afinal Ema Klabin, além de não ter se casado, também não teve filhos e sua casa não foi pensada para atender aos pequenos.

Observação anotada, aproveito para sugerir que conheça também o MIS e o MUBE, que ficam do outro lado da rua.

 

Sobre o autor

Joelma Somlo

Por sua formação em História e Educação, considera o espaço matéria de observação, vivência, aprendizagem e deleite. Como professora de Português para Estrangeiros, enfatiza características da nossa cultura e da nossa história.

Deixe um comentário