Coletivo Colunistas Isabela Menezes

Minha rua é colaborativa!

Escrito por Isabela Menezes

Ruas colaborativas: a nova moeda da economia é a confiança!

Tem muita reunião que acontece na cozinha

Tem muita reunião que acontece na cozinha

Minha rua é uma rua colaborativa!

Foi assim devagarinho que começamos, ou melhor, retomamos o antigo hábito de se ajudar e de conectar com quem divide o bairro com a gente!

Um ovo aqui, um pacote e macarrão ali, o cooler de bebidas e a mesa de jardim com os bancos para a festa do vizinho, o sofá da minha vizinha para minha festa de 50 anos… Fomos nos conhecendo, nos aproximamos e, quando nos demos conta, tínhamos uma rua totalmente conectada, onde todos se ajudam, cuidam dos pets se alguém viaja, colocam água nas plantas, pagam a conta de luz que ficou esquecida enquanto viajávamos. São tantos os exemplos que dava para eu ficar aqui listando até o fim do dia.

Aos poucos começamos a comprar algumas coisas em conjunto: a serra elétrica para os galhos que caem nos dias de chuva forte, a escada grande e agora estamos partindo para um picador de galhos e folhas para revolver o resíduo verde e transformá-lo em terra que vai voltar para nossos jardins.

Compartilhamos também meu pé de limão e de louro; tem vizinho que faz caipirinha em casa e vem buscar o limão na minha porta.
Construímos sistema de captação de água de chuva em três das casas da rua e a ideia é que todas tenham.

Noite de fogueira

Noite de fogueira

Jantamos juntos muitas vezes; fazemos pizzadas, “conquecthenes” (o famoso ‘pegamos o que temos na geladeira’ nos reunimos e jantamos); tomamos chá das 18 junt@s, cervejas no meio da rua e já agitamos muitas festas juninas .

Uma verdadeira comunidade onde a moeda é a confiança. Compartilhar a chave de casa e emprestar nossos bens, sem medo que de que algo se quebre ou se perca, deixou de ser estranho para nossa rua.

No movimento do Transition Towns existem as Transition Streets, onde o grupo da rua se junta e faz várias ações para construir placas solares, isolamento térmico, hortas e jardins comestíveis. Eles são bem focados nos processos que ajudam a economizar energia e a diminuir a pegada ecológica. É um movimento muito interessante e que vem crescendo no mundo todo.

Hoje sou também uma embaixadora do Tem Açúcar, um aplicativo fantástico que conecta pessoas dentro de uma distância pré definida pelo participante que precisa de algo emprestado. Já emprestei duas barracas de camping (que foram sem dois pinos e voltaram com pinos novos e uma caixa de cookies) e uma cesta de piquenique. Eles estão em campanha para adicionar várias outras ferramentas ao aplicativo.

A sensação de colaborar com alguém é maravilhosa. É o mesmo sentimento que temos quando ganhamos um presente. Isso está sendo estudado por institutos importantes de ciência. Somos biologicamente desenhados para colaborar. O ponto do cérebro que é acionado quando ganhamos um presente é o mesmo de quando fazemos algo por alguém! Isso não é incrível??

Colaborar faz bem e nos traz felicidade!

Meu bairro inteiro entrou na onda da colaboração! Temos um WhatsApp onde temos conflitos e também muita ajuda! Porque quem entra em conflito cresce como pessoa, o conflito é inevitável e onde tem grupo sempre tem conflito não é verdade!

Grupo de corrida da minha rua

Grupo de corrida da minha rua

Pedimos carona uns aos outros; vendemos nossos quitutes (tem pão, geleia, bem- casado, bolo e muito mais); fazemos grupos para plantios de mudas nativas, conserto das ruas e pouco a pouco vamos fortalecendo e construindo uma comunidade forte e ativa, que não fica esperando que alguém venha resolver suas questões, mas que, antes de tudo, se coloca como protagonista de sua história e de seu futuro!

Isso é a verdadeira Transição! Escolher um sonho de futuro e agir para que esse sonho vire realidade.

Descubra seus vizinhos, colabore, compartilhe e seja feliz! Você vai se divertir, economizar e diminuir seu consumo!

Sobre o autor

Isabela Menezes

Cursou Educação Gaia (www.gaiaeducation.org), baseado em currículo do GEESE (Global Educators for Sustainable Earth) que desenvolvem cursos em design e desenvolvimento de assentamentos humanos sustentáveis.
Atua com o desenvolvimento de projetos de educação para sustentabilidade e responsabilidade social pela Oficina da Sustentabilidade (www.oficinadasustentabilidade.com.br).
É articuladora e facilitadora da rede nacional do Transition Towns Brasil e uma das iniciadoras do movimento na Granja Viana – SP.

Transition Granja Viana: http://transitiontownsgranjaviana.blogspot.com.br/

Deixe um comentário