Colunistas Heloísa Reis

Nada justifica a perda da Alegria

Escrito por Heloísa Reis
“Para Alva”
Por Heloisa Reis

Presente é uma linda palavra. Nos fala de uma dádiva, de um oferecimento, de um mimo.

Também nos fala do hoje. Do momento que vivemos e que representa a vida como de fato ocorre.

Em ambos os significados temos a oportunidade da alegria – mesmo nos momentos mais difíceis – pois ao reconhecermos a vida acontecendo, é possível encontrar, mesmo que nas entrelinhas, a felicidades escondida em alguma pedra num canto do caminho.

Os difíceis momentos das perdas, os fechamentos de ciclos e as dificuldades do dia a dia podem ser ocasiões propícias para a transformação ao trazerem consigo outras fases e outras possibilidades.

Nada justifica a perda da alegria pois se ela se vai as cores perdem sua luz, o sabor se torna insosso e o gesto fica estático.

Reconhecer as etapas que terminam, é uma ação que facilita a abertura e a receptividade a outras que se iniciam. Atenção, consciência e ação conseguem dissolver ou fazer saltar as pedras do caminho, como nos faz crer o poema de Drummond .

E para que isso seja possível, a alegria é um instrumento seguro e eficaz, que lembra alva – a alvorada de todos os dias.

Abandonar o passado no seu devido lugar nos garante deixar o sofrimento lá mesmo – e abre a chance de dar espaço à felicidade de estar vivo e atuante.

Curar feridas da alma, livrar-se da opressão da tristeza é o presente pleno de possibilidades de transformação!

Vale a pena tentar curar as feridas do passado e livrar-se das cargas opressoras.

Vamos conjugar todos os dias os verbos soltar, libertar-se e deixar ir.

Vamos tratar com o devido desapego tudo o que já não é mais… tudo o que aprisiona os sonhos … tudo o que apenas obriga… tudo o que nada acrescenta… tudo o que sufoca a alegria…

Reconheçamos que a vida continua mesmo quando há morte neste plano.

image002 OK

Sobre o autor

Heloísa Reis

Artista visual e arte-educadora, pesquisa a linguagem da arte contemporânea e sua importância enquanto instrumento de transformação. “Pinta e borda”, constrói objetos e gosta de ler e escrever. Atua em grupos como MDGV, Transition da Granja e Grupo ArteJunto procurando aprender com eles a arte de refletir a cidadania.
www.encontrosheloisareis.blogspot.com

Deixe um comentário