Autoconhecimento e Espiritualidade Colunistas Tânia Guerino

O Mar da Vida

Escrito por Tânia Guerino

A analogia entre espiritualidade e a vida humana observada como uma cena, onde a forma e a substância da vida terrena são representadas como o mar, o oceano, sobre o qual cada vida é um barco, é comumente vivenciada em sonhos, livros, filmes, etc.

Esse quadro representa diversos aspectos da vida: o mar pode ser agitado e o céu cinzento; depois o sol volta a brilhar e as águas se acalmam, enquanto a próxima tempestade não chega.

Assim a viagem vai se alternando até atingir seu destino final, que é a terra firme, o mundo do espírito e o verdadeiro lar.

Algumas pessoas pilotam seu barquinho com coragem, habilidade, enfrentando os desafios, perigos e durante a calmaria reúnem forças para a próxima tormenta.

Outros ficam nervosos e perdem o autocontrole quando uma tempestade começa a se formar.

Outros ainda se assustam tanto que, no seu medo extremo, nem manobram o barco, deixando-os à deriva nas tempestades da vida e assim deixam-se levar.

O ser humano que já passou por algum aprendizado espiritual tem consciência de que as intempéries no mar (tempestades, furacões, acúmulo de nuvens, etc.) são provas que a vida lhe apresenta e usa sua intuição para reconhecer onde seu barquinho se encontra, num determinado momento, e como enfrentá-las.

Durante as provas ou obstáculos, por mais experiente que seja o capitão, as forças sombrias (negativas) aproveitam para confundir e fazer o falso parecer verdadeiro, a verdade parecer mentira, o bem parecer o mal e o mal parecer o bem.

Só se pode saber o que fazer ou deixar de fazer, para colocar as energias a serviço do bem, quando se trilha um caminho de autoconhecimento onde se aprende a ter disciplina para atingir a tranquilidade interior em qualquer momento, sobretudo durante as tempestades, entrando em contato com o Eu Superior.

E isso se dá em três níveis: pensamento, ação e sentimento.

O mais difícil é no nível emocional, uma vez que muitos sentimentos são inconscientes e é preciso trabalhá-los com força de vontade e paciência para torná-los conscientes. Além disso, não se pode controlar os próprios sentimentos de forma imediata e direta, como os pensamentos e ações.

É preciso um trabalho intenso no nível espiritual (consciência), na autoanálise e uma completa absorção das leis espirituais, antes que as emoções possam começar a mudar.

A próxima etapa é cultivar os próprios pensamentos, pois muitas vezes apesar da pessoa se comportar bem porque entende ser a melhor forma de se relacionar com o mundo exterior, seus pensamentos vão noutra direção.

Ela não compreende ainda que os pensamentos e sentimentos impuros têm energia, forma e substância e produzem seus efeitos.

A pessoa que está se esforçando para trabalhar e purificar seus pensamentos, está mais adiantada que outra, que ainda se encontra na etapa de cumprimento das leis em termos da ação externa.

É bem doloroso ter que reconhecer que muitos sentimentos ainda se desviam demais dos pensamentos e intenções conscientes.

A pessoa capaz de trazer à consciência os sentimentos mais íntimos e de admitir que esses sentimentos nem sempre são paralelos aos pensamentos que ela aceita como certos, já realizou muita coisa.

Somente a pessoa que encara si mesma muitas vezes e com coragem – e nesse caso a vaidade é um obstáculo insuperável – pode chegar a ter uma perspectiva verdadeira sobre o outro ser humano ou sobre qualquer situação exterior.

Quem for cego para sua própria verdade, será cego para a verdade dos outros.

A aproximação com o Eu Superior, o deus interno, com a intenção não só de pedir, mas de também oferecer o seu melhor, trará mais luz e ajuda para desembaraçar os nós e ter força para dirigir bem seu barco, mesmo numa tempestade, e assim atravessá-la fortalecido e iluminado.

Texto fundamentado na palestra 001 da Metodologia Pathwork.

Sobre o autor

Tânia Guerino

Vive e trabalha na Granja Viana há mais de 20 anos, é Helper em Pathwork - uma metodologia de autoconhecimento que atua nos níveis físico, mental emocional e espiritual. É bacharel em Comunicação pela Faculdade Anhembi Morumbi, com larga experiência no mercado publicitário. É reikiana nível II e Instrutora de Liangong - ginástica terapêutica Chinesa.

Saiba mais em: http://taniabrascaguerino.blogspot.com

Deixe um comentário