Autoconhecimento e Espiritualidade Colunistas Tânia Guerino

O propósito da luta humana

Escrito por Tânia Guerino

A separação da consciência humana (inconsciente) com a qual cada ser tem que lidar, é que estabelece a grande luta humana.

Quando a consciência não está ligada ao significado mais profundo das coisas, a vida não pode deixar de ser uma luta.

Na medida em que o ser evolui e o espírito criador divino deixa de ser percebido como uma entidade fora da pessoa, e sim como um poder interior, o destino aleatório que o homem teme é seu próprio inconsciente.

Somente ao se tornar gradualmente mais consciente do mundo interior em decorrência de enxergar algumas das atitudes, reações e emoções como realmente são, ao invés de passar por cima delas, que esse mundo interior se tornará mais real.

Quanto maior a consciência desse mundo interior com todas as suas atitudes destrutivas, seu raciocínio primitivo, a vontade contraproducente, maior será a sensação de segurança e unificação por mais paradoxal que possa parecer.

Quanto mais divisão for trazida à tona (desejo consciente x não desejo inconsciente) menos dolorosa ela se torna, menos conflitos produzirá e, consequentemente, menos experiências indesejáveis ocorrerão.

Ficará claro que a experiência pessoal indesejável é totalmente decorrente do conflito oculto entre duas atividades irreconciliáveis, que tem um dos lados oculto, o que aumenta o poder de determinar e moldar a substância criadora (substância fértil, maleável, reativa, energia muito poderosa).

Como o consciente não tem oportunidade de tratar do conflito interior, dos esforços em direções contrárias, a totalidade da pessoa é inexoravelmente arrastada para uma manifestação indesejável.

Sendo assim, na verdade somos nós mesmos que rejeitamos uma determinada realização que, ao mesmo tempo, é um grande anseio e um desejo real.

Detectando empecilhos à realização: ETAPAS

1. INTENÇÃO
Declarar para si mesmo com profundidade, convicção e determinação seu objetivo ex.: Quero sucesso profissional!

2. ATENÇÃO
Ficar atento às respostas do Eu mais íntimo que, com certeza, apresentará reservas do tipo: isso é difícil; exige muito esforço; poucos conseguem; vou ter que trabalhar como louco; vou perder qualidade de vida, etc.
Quanto mais sintonia com as respostas interiores maior clareza se obterá para ouvir e perceber essas reservas.

3. TRÉPLICA
Ao ouvir as reservas dar a tréplica: não importa quanto tempo demore, estou disposto a pagar o preço. Tenho confiança e convicção que vou conseguir.

É preciso entender cabalmente que essas reservas, essa relutância são a razão da escuridão da vida, das dificuldades do próprio destino que se atribui tão facilmente a circunstâncias aparentemente dissociadas do Eu interior.

Ao poder assumir a responsabilidade pelos acontecimentos indesejáveis da própria vida, sejam eles quais forem, reconhecendo a resistência à expansão, se dará um grande passo para eliminar esses bloqueios.

Não são apenas a consciência e os conceitos inconscientes que criam, mas também o tom do sentimento, o clima do ser interior.

Se os pensamentos são produtivos e positivos, mas o tom do sentimento é deprimido e negativo; se não se estiver disposto a aceitar a possibilidade de uma expansão feliz, isso indica que existem camadas ocultas de consciência que contradizem o que se diz ou deseja.

Por isso é necessária a exploração e a confrontação das mais delicadas nuances do ser mais íntimo que o método Pathwork proporciona.

Texto fundamentado na palestra 181 da metodologia Pathwork.

Sobre o autor

Tânia Guerino

Vive e trabalha na Granja Viana há mais de 20 anos, é Helper em Pathwork - uma metodologia de autoconhecimento que atua nos níveis físico, mental emocional e espiritual. É bacharel em Comunicação pela Faculdade Anhembi Morumbi, com larga experiência no mercado publicitário. É reikiana nível II e Instrutora de Liangong - ginástica terapêutica Chinesa.

Saiba mais em: http://taniabrascaguerino.blogspot.com

Deixe um comentário