Coletivo Colunistas Regina Machado

Para os homens

Escrito por Regina Machado

Homens, tirem as máscaras, relaxem!

Não vou escrever um artigo para as mulheres em seu dia, mas para os homens, que desde a infância foram obrigados, culturalmente e não biologicamente, a usarem uma máscara de machos fortes e viris escondendo seus sentimentos, medos e angustias.

The-Mask-You-Live-InNão por acaso fui assistir nessa véspera do dia 8 de março o filme The Mask You Live In (2015) – Netflix. Um documentário sobre a “crise dos meninos” nos EUA com entrevistas com os próprios meninos, pais e mães, especialistas e professores.

Não, os homens não se dão assim tão bem como parece nesse mundo em que estão em vantagem e superioridade em relação às mulheres. É o que mostra o filme.

The Mask mostra como são criados os machos, num ambiente hostil e solitário resultando em bullying durante a vida escolar, violência, competição, dificuldade de falar de si e de seus medos e angústias na vida adulta, o que leva, por exemplo, ao índice de suicídios ser a principal causa de morte na Inglaterra entre homens entre 20 e 34 anos, uma taxa bastante superior ao das mulheres também nos EUA.

O filme se concentra na construção do homem enquanto ser social e cultural da infância até a maturidade e na máscara que lhes é imposta de macho racional e insensível.

Para combater o machismo, por um lado há de se quebrar o modo como educamos as crianças, por outro é preciso que os homens se desconstruam, se reconstruam e reconstruam todas as relações à sua volta.

Quando a noite é mais escura é que vai amanhecer. Não é à toa que as propagandas, mais do que nunca, exacerbam a diferença entre meninos e meninas e as fazem cor de rosa do laço do cabelo ao laço do sapato. Ou que um hospital de renome impede uma mãe de amamentar um filho na UTI durante a visita dos pais. É quando uma cultura está em franca mudança que nascem reacionarismos extremados.

Vale assistir o filme. Vale para homens e mulheres.

Sobre o autor

Regina Machado

Mineira de Juiz de Fora. Mãe de dois adolescentes. Arquiteta e Urbanista. Trabalhou com movimentos sociais de urbanização de favelas no Rio e em São Paulo. Trabalha com comunidades na organização de seus espaços físicos, sociais e políticos.
Fundadora do Projeto Âncora junto com Walter Steurer.

Projeto Âncora: http://projetoancora.org.br

Deixe um comentário