Colunistas Põe Poesia Sílvia Rocha

Pondo Poesia na Hora do Planeta

Escrito por Sílvia Rocha

Sábado, dia 24 de março, realizamos a celebração anual da Hora do Planeta na Granja Viana. Fazemos isto há 8 anos!

Desta vez, escolhemos a Pizzaria João do Grão para sediar nosso evento. A pizzaria, junto com o restaurante Ser-A-fim, faz parte da Vila da Mata, e os dois são conhecidos por suas pizzas (à noite) e refeições (de dia) vegetarianas, veganas e deliciosas.

O João do Grão estava todo à luz de velas, “como manda o figurino” da Hora do Planeta em milhares de cidades no mundo.

foto: Carlos Dompieri

O protocolo é apagarmos as luzes por uma hora, das 20h30 às 21h30, assim como monumentos como a Estátua da Liberdade, a Torre Eiffel e vários monumentos brasileiros. Nós, do Transition Granja Viana, um movimento pró sustentabilidade na nossa comunidade, aproveitamos a ocasião para fazer o pré-lançamento da campanha #granjasemcanudo.

A poesia, de minha autoria, está sendo musicada pelo nosso amigo Paulo Cunha, um músico de primeira, granjeiro e simpatizante da causa!

Aproveitamos para ler a poesia na Hora do Planeta em forma de Jogral: Dani Terracini, Angélica Lopes, Fernanda Campos Luiz e eu, sob a direção de Luci Balotin, atriz e diretora de teatro e dona da loja Poemizando, na própria Vila da Mata.

Em breve, lançaremos a campanha oficial #granjasemcanudo e a ideia é continuar pondo poesia – e sustentabilidade – na nossa Granja Viana!

 

 

 

Se é canudo Eu me recuso!

                                 Sílvia Rocha

Olha que fantástico!
Não uso mais
Canudo de plástico!

Veja que bombástico!
Não compro mais
Canudo de plástico!

Se é canudo
Eu me recuso!

Se é canudo
Sinto muito
Eu não uso!

E por quê?
Por que não?
Qual é a questão?

Qual é o problema?
Eles poluem o ecossistema!

E por que não?
Não vou usar?
Eles poluem as águas do mar

Por que canudos
Vou recusar?
Eles matam os seres do mar

Olha que fantástico!
Não uso mais
Canudo de plástico!

Veja que bombástico!
Não compro mais
Canudo de plástico!

Se é canudo
Eu me recuso!

Se é canudo
Sinto muito
Eu não uso!

Foto em destaque: Alexandre Lopes 

Sobre o autor

Sílvia Rocha

Sílvia Rocha mora na Granja Viana desde 1994.
É graduada e mestre em Comunicação Social – Jornalismo – pela Escola de Comunicações e Artes da USP.

Pratica o haikai – micropoemas de origem japonesa, inspirados na natureza – desde 1984. Publicou a segunda edição de Estação Haikai e Gestação Haikai, pela editora É selo de língua, 2015. Ganhou o Concurso de Poesia Falada do Café das Flores e da Revista Escrita com As Quatro Estações do Ano, em 1987.

Escreve matérias, artigos e crônicas para veículos impressos e virtuais e conduz a oficina Haikai: universo em três versos em grupos, individualmente, presencialmente e à distância.

Site: www.silviarocha.com.br

Deixe um comentário