Ao redor Colunistas Joelma Somlo

Templo Zu Lai

Templo Zu lai
Escrito por Joelma Somlo

Contei a uma amiga granjeira que estava escrevendo sobre o Templo Zu Lai  e ouvi:

– Você acredita que ainda não visitei?
– Nãaaao!???
– Pois é, parece que ele tá ali tão pertinho, tão facinho, posso ir a qualquer hora… e ainda não fui…

E é pertinho mesmo, já que fica na Estrada Municipal Fernando Nobre, 1461. Mas, se você está na mesma situação da minha amiga, espero poder estimular sua visita a este local, não por estar na nossa região, mas por ser belíssimo e extremamente agradável.

Comecemos pelo alimento dos olhos. Com estilo que segue o da arquitetura chinesa da Dinastia Tang (entre século VII e X), o templo fica bem no alto de um terreno doado pela família Chang. Ao chegar, você pode deixar o carro no estacionamento gratuito e seguir para a entrada principal. Primeiro, você vai passar por um lindo jardim onde estão 18 figuras que representam Arhats (iluminados por ensinamentos de outrem) e que cumprem o papel de os guardiões do templo.Templo Zu Lai 2

 

 

No alto da escadaria, fica o Portal do Templo com magníficas flores de lótus que têm uma simbologia extraordinária uma vez que nascem em pântanos lamacentos, mas suas flores são lindas, perfumadas e têm pétalas impermeáveis, ou seja, mesmo que seja respingada lama sobre elas, não serão manchadas. Junto às flores, pode ser ouvido um barulhinho de água que já nos faz desacelerar, acalma nossos ânimos e nos prepara para a visão do pátio central.

Nele, observe quão exuberante é a arquitetura do local (não é para menos, já que a obra envolveu arquitetos chineses, taiwaneses, japoneses e brasileiros) e aproveite o silêncio e a sensação de harmonia e paz que o espaço nos proporciona.

Seguindo em frente, está o principal espaço do Templo, o salão onde são realizadas as cerimônias, além de ser um espaço para a prática da meditação, que segundo o budismo, é a técnica de purificação da mente e um recurso necessário para a superação das dificuldades humanas e para o alcance da iluminação.

Dali você pode seguir para o playground com seus pequenos, para a lojinha, para a midiateca, para o museu (onde você encontra diversas representações artísticas da história do budismo), para os jardins, para o lago ou para as salas de meditação.Templo Zu Lai 3

Quando estiver sentindo aquela roncadinha de estômago e perceber que é hora de alimentar o corpo, você pode escolher as delícias da cafeteria (aberta de terça a sexta das 12h às 17h e, sábados, domingos e feriados, das 10h às 17h), onde vai encontrar cafés, chás, sucos, pães, bolos, lanches e yakisoba vegetarianos. Mas acho que, para um final de semana, a melhor opção é o refeitório, onde são servidos, aos sábados, domingos e feriados, das 12h às 14h30, pratos vegetarianos totalmente diferentes do que estamos acostumados, pois têm um inigualável sotaque oriental.

Caso você tenha curiosidade em relação ao budismo humanista, fundamentado na experiência e nos exemplos da vida de Buda, bem como em seus Dharmas (ensinamentos), o Templo tem atividades que contribuem para a sua divulgação e, em setembro, serão realizadas celebrações e palestras que talvez possam lhe interessar, são elas:

– Dia 3 de setembro, a partir das 10h, o Dia da Sanga que é uma das mais importantes celebrações e reúne anualmente representantes dos templos budistas de toda América do Sul que vêm trazer doações e oferendas como forma de agradecimento. Nela também são feitas apresentações de dança e coral infantis, apresentações de Tai Chi e são distribuídos Dharmas.

– Dia 10 de setembro, a partir das 10h, a Oferenda de Luzes que é uma cerimônia mensal de estímulo à busca de sabedoria associando a imagem da luz com a extinção da escuridão da ignorância e enfatizando a capacidade humana de alcançar a iluminação.

– Dia 24 de setembro, das 14h às 15h, Palestra: a maravilhosa vida do Iluminado.

Ah, se, para alguns, aquele é um excelente local para lazer e diversão, sua função original é religiosa. Então, não custa lembrar que lá são exigidas roupas discretas, silêncio e não são recomentadas expressões físicas de afeto e intimidade.

Agora, se você anda sem tempo, mas quer saber o que está perdendo, dá pra dar um olhadinha por aqui.

Sobre o autor

Joelma Somlo

Por sua formação em História e Educação, considera o espaço matéria de observação, vivência, aprendizagem e deleite. Como professora de Português para Estrangeiros, enfatiza características da nossa cultura e da nossa história.

Deixe um comentário