Coletivo Colunistas Regina Machado

Votar? Em quem?

Escrito por Regina Machado

Não importa se moramos em Cotia, Carapicuíba, São Paulo ou em Jacaré dos Homens, sim, existe um município com esse nome e com gente como eu e você obrigada a votar em alguém. E que, mesmo sendo dos Homens, pelo menos 50% dos seus 5.469 habitantes são mulheres.

A cada dois anos vem se acentuando o sentimento de total descrença de que alguma candidata ou candidato possa nos representar. Tenho certeza de que não pode mesmo. Tenho certeza de que ninguém nos representará. E sabe por quê? Porque ninguém pode representar quem não se faz conhecer. Como uma vereadora ou vereador vai aprovar leis do meu interesse se não conhece meus interesses ou os interesses da minha comunidade?

O atual Congresso Nacional, com toda a exposição que tem tido, tem sido altamente pedagógico para entendermos a dinâmica da coisa e repensarmos nossa atuação política. Temos visto como são fortes os grupos que compõem o chamado BBB e que representam os interesses do agronegócio, dos evangélicos e da indústria de armas. Esses grupos têm projetos, deixam claros seus interesses e financiam campanhas milionárias.

Enquanto nós, reles cidadãos sem projeto coletivo e sem capital, sem estratégias inteligentes de ação e, pior ainda, servindo de inocentes úteis, não sairmos da zona de conforto e participarmos da comunidade local em que vivemos e aprendermos exercendo a política que está em nossas mãos… Não só nada vai mudar como coisa bem pior deixaremos para as próximas gerações.

Parei de culpar os políticos ou procurar um bode expiatório. O que abominamos hoje é fruto da nossa conivência, da nossa ausência do cenário político, do nosso individualismo. Não, não basta pagar impostos, pagar o salário do presidente, senador, governador, prefeito, deputado e vereador. Não basta ser consumidor passivo e sustentar as grandes corporações que corrompem políticos, envenenam o meio ambiente e nossos corpos. É preciso mais! Descobrir um caminho junto com os outros, com a comunidade que convivemos, com os amigos, no trabalho, no condomínio, na rua, na escola. Sozinhos não vamos a lugar nenhum. A inteligência coletiva é poderosa. Mas atenção! Precisamos de debate, de conversa, de ouvir-nos. Não basta ir na onda sem reflexão.

Lembram do filme A Onda?

Sugiro a leitura de O Poder Local do Ladislau Dowbor, disponível na Internet.

Sugiro também a leitura do Notas sobre a experiência e o saber da experiência do Jorge Larrosa Bondía, também disponível na Internet.

E mãos à obra!

Sobre o autor

Regina Machado

Mineira de Juiz de Fora. Mãe de dois adolescentes. Arquiteta e Urbanista. Trabalhou com movimentos sociais de urbanização de favelas no Rio e em São Paulo. Trabalha com comunidades na organização de seus espaços físicos, sociais e políticos.
Fundadora do Projeto Âncora junto com Walter Steurer.

Projeto Âncora: http://projetoancora.org.br

Deixe um comentário