Colunistas Mila Poci Ponto de Vista

A Tabacaria – filme em alemão

Escrito por Mila Poci
E porque não, se amor e amizade são universais?

O mais impactante numa guerra não é como ela assassina em grandes proporções, mas a maneira como transforma vidas e hábitos cotidianos de gente comum. Ou não tão comum…

Interior da Áustria, nos anos 1930. Uma mãe viúva manda seu filho adolescente para a capital, Viena. O garoto Franz, de 17 anos precisa trabalhar e amadurecer. Um amigo da família o recebe em seu pequeno comércio. Ali ele vive e trabalha. Apesar de tímido, apaixona-se e faz amizades. Apesar da guerra, e de vizinhos pouco amigáveis; apesar de Hitler.

Uma dessas amizades é um cliente. Um senhor simpático e discreto, consumidor de bons charutos e jornais. Gostava de ser chamado de ”professor”; apesar de… ser Sigmund Freud.

Forma-se uma boa parceria. De um lado a torcida pelo sucesso da história amorosa de Franz, a quem o professor sugere anotar os sonhos (uma das muitas referências à história real e técnicas do psicanalista). De outro, um admirador e contato com o mundo, já que nesta época Freud já quase não se ausentava de seu apartamento, seja pela idade, pela perseguição nazista, seja pela saúde debilitada.

E este é o mote principal de A Tabacaria. Existem tantas outras histórias paralelas importantes pelas quais vale a pena serem escritos livros e feitos filmes, que o diretor e roteirista Nikolaus Leytner preferiu explicá-las por meio dos sonhos e desejos de Franz, prontamente escritos e expostos na vitrine da loja…

Existem, por exemplo, a urgência de sobrevivência nas mudanças que a ocupação alemã provocou nas artes, no cotidiano e, porque não, até no amor? Estão todas no filme. Quisera fossem apenas sonhos (ou pesadelos) de um jovem…

Sobre o autor

Mila Poci

Mila, granjeira de raiz, escreve desde pequena. Batizou este jornal aos 11 anos, no tempo em que era impresso em P&B. Depois, aos 16, escreveu um livro de contos, e seguiu na carreira de assessora de imprensa para a loja Casinha Pequenina. Trabalhou como roteirista do desenho Osmar e ama cinema, teatro e tudo que a faça pensa. Uma de suas características mais marcantes é o senso de humor, tema da palestra que ministra aonde precisar.

2 Comentários

Deixe um comentário