Redação

Em Bom Português

mm
Escrito por Redação

Por Heloisa Reis e Silvia Rocha

Crase ou não: eis a questão

– Bom dia, Tique!

– Bom dia, Toque!

– Parece que crase é um assunto desconhecido para muita gente, não é? Então, vamos dar ênfase a quando não usar a crase.

– Vale lembrar que ela jamais deve ser usada antes de nomes no masculino, já que é a contração da

                                           PREPOSIÇÃO “A” com o ARTIGO FEMININO “A”:

                                                                                 A + A = À

– Claro! Então, um bom dia deve ser dado A TODOS, o sal deve ser colocado A GOSTO, enviamos o um beijo A VOCÊS, e seguimos A CAMINHO do final deste ano muito louco!

– Também, A PARTIR de agora, podemos nos lembrar de não usar o a craseado antes de verbos no infinitivo.

– Sim… Temos tantas notícias A ACOMPANHAR, tantos fatos A ENTENDER, tantas decisões A TOMAR que é melhor seguir adiante desejando que a Educação deste país tome rumos estáveis na direção de formar cada vez mais cidadãos preparados para bem se expressar, não acha?

­ – Você já ouviu a expressão “Cantou à Pavarotti?”

– Já! E quase caí das pernas! Crase antes de um nome masculino? Mas depois me dei conta de que é a exceção que se aplica quando   se quer dizer: cantou à moda de Pavarotti!

– Ah… o português! Bem dizem os estrangeiros que é difícil de aprender!

– Outra situação para gravar para sempre é nunca usar a crase quando mandar um beijo ou um abraço A VOCÊ, A VOCÊS E A TODOS! Sempre sem crase, por favor, já que nenhuma dessas palavras leva o artigo A em sua frente!

– Também é frequente notarmos a crase erroneamente colocada em avisos como estes:

Aberto de segunda A sexta. (Aberto de segunda ATÉ sexta)

Funcionamos de segunda A sábado. (Funcionamos de segunda ATÉ sábado)

– E por aí seguem expressões que se esquecem das regras… que, afinal, fazem parte de uma comunicação elegante e culta!

– Fica mesmo mais bonito falar e escrever a língua corretamente!

– Sabe aquele poemeto?

                                         Se vou a

                                         E volto de

                                         Crase para quê?

 

Acho-o muito interessante para lembrar de que, quando se vai a uma cidade ou a um lugar, no masculino, não usamos a crase!

Vou A Ribeirão Preto. (Vou PARA Ribeirão Preto)

Volto DE Ribeirão Preto.

Vou A Santos. (Vou PARA Santos)

Volto DE Santos.

Vou A Fernando de Noronha. (Vou PARA Fernando de Noronha)

Volto DE Fernando de Noronha

– Se me referir a Paris, digo: Vou A Paris. (Vou PARA Paris)

Volto DE Paris.

– Já eu, que gosto tanto da Belle Époque, diria: “Se eu conseguir uma máquina do tempo, pretendo ir À PARIS DO SÉCULO XIX”.

– Mais uma exceção! Que se aplica quando se quer dizer: vou à cidade Paris do Século XIX!

 

– Então, entre regras e exceções, vamos torcendo para que consigamos despertar em todas as pessoas e, principalmente, em nossos jovens, a vontade de curtir uma forma de se expressar mais correta e elegante!

– Enquanto isso, fica aqui a dica de ouro da crase: sempre verificar se a palavra que ela precede está no feminino! E, além de estar no feminino, se ela está no singular ou no plural.

– E prestar atenção às exceções! Há algumas!

– Até o próximo Diálogo Tique Toque, em bom português!

 

Sobre o autor

mm

Redação

O Jornal d'aqui digital é uma prestadora de serviços que atua com comunicação na região da Granja Viana, Cotia (SP). Nasceu originalmente em 1979 como mídia impressa e assim atuou durante 35 anos. O formato atual surgiu a partir de um movimento de amigos/leitores inconformados com o encerramento de suas publicações.

3 Comentários

Deixe um comentário