Colunistas Regina Machado Steurer

Mulheres do Âncora

Em 15 de janeiro, a Cidade Âncora iniciou uma série pelo Facebook para homenagear as pessoas que fizeram o Projeto Âncora ser uma instituição tão importante e um marco na nossa região.
Conversamos com a Regina Machado que nos autorizou a publicar estes relatos e é com muito orgulho que iniciamos hoje e devemos publicar um por semana.
Boa leitura!
A Redação
—-
A partir dessa sexta começamos uma série de posts das Mulheres do Âncora. A primeira de todas é a Penha, a “dona do Circo”. Ela começou a trabalhar no Âncora no dia 13 de janeiro de 1997, há 24 ano.
A Penha nasceu no circo da sua família e quem fez o parto foi seu próprio pai. Isso foi no Rio de Janeiro onde estavam se apresentando. O circo da família se chamava Circo Teatro Zélia, nome da sua avó. Seus avós eram italianos, espanhóis, índios e africanos. Como todos que nascem num circo, a Penha fazia de tudo um pouco: arame, contorção, trapézio, equilíbrio. Até no Globo da Morte ela andou de bicicleta. O pai era o Palhaço, naquela época o palhaço fazia todos os números de circo. A mãe era uma trapezista um cadinho medrosa.
Penha foi mesmo a dona do Circo Teatro Escola Vagalume do Âncora e mãe postiça de muitas crianças e jovens para quem ensinou as artes do circo teatro, alguns desses descobriram com ela sua vocação, uns seguiram trabalhando em circo, escola de circo, teatro, cinema e TV.
Hoje a Penha nos disse que seu sonho “é que a vacina chegue logo porque tudo que está acontecendo é muito traumatizante, que mesmo antes da pandemia o Brasil já estava um caos, quer que o Âncora volte a ser o Âncora de sempre, que ela aprendeu a amar e respeitar e que deixou muitas lembranças boas”.
Nosso sonho, Penha, é ter você de volta assim que esse pesadelo terminar e voltarmos a fazer aqueles lindos espetáculos que tiravam aplausos e lágrimas emocionadas de muitos de nós.
Na foto, Penha à esquerda junto com as alunas Mariana e Giulia

Sobre o autor

mm

Regina Machado Steurer

Mineira de Juiz de Fora. Mãe de dois adolescentes. Arquiteta e Urbanista. Trabalhou com movimentos sociais de urbanização de favelas no Rio e em São Paulo. Trabalha com comunidades na organização de seus espaços físicos, sociais e políticos.
Fundadora do Projeto Âncora junto com Walter Steurer.

Projeto Âncora: http://projetoancora.org.br

Deixe um comentário