Colunistas Daqui Heloísa Reis

Nossa linda água no futuro

Escrito por Heloísa Reis

Segundo o urbanista americano Michael Klare, autor do livro The Race for What’s Left
(A Corrida pelo que Sobrou), muitos conflitos pelo mundo vêm acontecendo pela falta de água – já se contam cerca de 2200 conflitos entre diplomáticos, econômicos ou militares – diz ele: “A água virou o novo petróleo, causa de batalhas ferrenhas. Guerras que aumentarão em número e dimensão, já que a demanda cresce, enquanto a oferta diminui”. Grave advertência.

No Brasil – país com rico parque hídrico – chega a ser incompreensível a atual situação de carência de água tratada. As mudanças climáticas já apontadas por cientistas, ecologistas e ambientalistas desde a década de 1980, aí estão – inegáveis. O crescimento populacional em parte explica a crise, aliado à morosidade nas ações preventivas de abastecimento por parte dos governos.

E, se a ONU prevê que até 2030, 47% da população global não terá acesso a água limpa, nós estamos em situação de admitir que nossos recursos hídricos são finitos. De imediato temos que aprender a consumir menos e diminuir desperdícios. Atitudes difíceis pois implicam em mudanças drásticas de costumes. Mas não há saída fácil nem milagrosa para isso.

Para controlar o gasto, todo cidadão precisa rever seus hábitos cotidianos pessoais.
Em paralelo a esse necessário esforço individual, devem acontecer as políticas públicas que vão desde a repreensão ao desperdício, até o recolhimento e tratamento da água usada para que seja reaproveitada em usos especiais. Alguém conhece projeto de algum governo para essa questão? Atenção nas próximas eleições!

Uma verdade é absolutamente incontestável: sistemas paliativos em nada ajudarão se o uso não for controlado e medidas de prevenção e preservação não forem tomadas com muita responsabilidade.

Para o Brasil, a recente crise da água serve como alerta. Se não cuidarmos dos nossos recursos – mesmo que os consideremos abundantes — desenharemos um futuro cada vez mais árido. E, enquanto isso, atônitos, continuamos a ver desmatamentos inaceitáveis.

O que fazer enquanto cidadãos conscientes?

Cuidar das árvores ao nosso alcance, saber o que é um jardim de chuva, manter o solo permeável, descartar corretamente nosso lixo, observar nosso consumo, reutilizar toda a água possível, captar água da chuva para regar plantas e lavar áreas externas, enfim descobrir o que mais podemos fazer e, com certeza, plantar cada vez mais árvores ao nosso redor.

Vamos lá? Encontre a iniciativa de plantio mais próxima de você e mãos à obra!
Bom futuro!

Em destque: HReis“Aguas profundas” Técnica mista sobre tela (2019)

Sobre o autor

Heloísa Reis

Artista visual e arte-educadora, pesquisa a linguagem da arte contemporânea e sua importância enquanto instrumento de transformação. “Pinta e borda”, constrói objetos e gosta de ler e escrever. Atua em grupos como MDGV, Transition da Granja e Grupo ArteJunto procurando aprender com eles a arte de refletir a cidadania.
www.encontrosheloisareis.blogspot.com

2 Comentários

Deixe um comentário