Colunistas Daqui Heloísa Reis

O nosso importante Cinturão Verde da Reserva da Biosfera de São Paulo

mm
Escrito por Heloísa Reis

Sim! Nosso!

Porque abrange as cidades de toda a região metropolitana a oeste de São Paulo, onde estamos situados, e pertence a todos os cidadãos do Brasil e do mundo também!

   E importante!

Porque tem sido objeto da feliz atenção dos estudos científicos, mas também da cobiça dos especuladores, além de vítima do descaso de autoridades não preocupadas com as carências das populações que vivem no seu entorno.

Um relatório feito pela Fundação Greenbelt do Canadá examina a situação atual de 8 cinturões verdes localizados em diversas cidades do mundo:   Colúmbia Britânica do Canadá, Holanda, Baía de São Francisco nos EUA,  Copenhague, Londres, Ontário, Europa, Melbourne e o nosso, no estado de  São Paulo.

Ao lê-lo, vemos que a coisa não está muito fácil!

 Apesar de terem se tornado extremamente importantes pela situação climática e alimentícia mundial, o estudo aponta que todos vêm sofrendo, desde 2010, a influência danosa do crescimento urbano com expansão das regiões suburbanas e com a expansão de projetos de infraestrutura. Há ameaças diretas às áreas protegidas com frequentes mudanças – muitas indevidas – nas agendas políticas.

Sim, são muitos os interesses em questão. Mas é preciso não se esquecer nunca da importância crescente do amortecimento que essas zonas agrícolas e naturais oferecem às cidades próximas, levando inúmeros  benefícios ao enfrentamento dos efeitos das mudanças climáticas atuais.

Os benefícios estendem-se às soluções para problemas como crises nos sistemas de produção de alimentos no mundo, eventos climáticos extremos, e elevação no custo da energia.

Outros pontos positivos estão ligados ao controle do crescimento urbano e ao desenvolvimento de economias locais ligadas à conservação da natureza, à proteção da agricultura familiar e às atividades de turismo e recreação ao ar livre.

A Pandemia de 2019 nos mostrou, mais do que nunca, a importância da proximidade da natureza para a saúde e o bem-estar dos seres viventes com as conclusões tiradas do estudo acima:

– A conservação dos cinturões verdes é uma atitude importantíssima do governo para a proteção e a manutenção da vida ao redor das cidades;

– A pressão exercida por forças expansionistas deve ser reconhecida e controlada com pulso firme para que não se percam os efeitos benéficos do cinturão;

– Tem que haver estrita colaboração entre as esferas estaduais e municipais;

– As políticas e os objetivos são multifuncionais e nunca foram tão importantes como fatores de manutenção da vida;

– Cinturões verdes são importantes zonas de saúde pública e devem ser cuidados como tal;

– Cuidar do entorno e das zonas periféricas do cinturão se faz imprescindível para que a região possa oferecer o pleno benefício de sua existência, fazendo-se notável a participação de toda a população em colaboração com as autoridades públicas;

-Unirmo-nos a entidades internacionais também é um plano possível e benéfico para que possamos contribuir para a valorização do Cinturão Verde da Biosfera.

O relatório da fundação canadense aponta que o nosso Cinturão Verde fornece comida, água, e medidas de mitigação do clima para mais de 25 milhões de pessoas. São verdadeiros serviços ecossistemáticos que contribuem para a economia brasileira, chegando a representar 20% do Produto Interno Bruto.

“A avaliação dos serviços desse ecossistema (de São Paulo) inclui a provisão de água, alimentos, e remédios; a regulação da qualidade do ar, dos eventos climáticos extremos e da conservação de nascentes, além do tratamento de resíduos e prevenção de erosão do solo. Ainda é suporte para a fertilidade do solo e manutenção da diversidade genética, sem falar nos serviços de recreação e turismo.”

Este trabalho executado por 70 pesquisadores de 35 instituições resultou num livro recentemente publicado: Os serviços do Ecosistema e o Bem Estar humano no Cinturão Verde da Reserva da Biosfera de São Paulo. O sequestro de carbono com redução significativa dos efeitos do gás estufa e a fonte de madeira e fibras também colaboram para o valor de se manter essa área intacta e cuidada em sua pujante natureza.

Falando agora do sistema de abastecimento de água da cidade, o Cinturão Verde tem enorme papel na sua eficiência. Duas importantes bacias –  a do Alto Tietê e a da  Baixada Santista – estão inteiramente localizadas dentro do Cinturão Verde, enquanto as bacias dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí  estão localizadas apenas parcialmente. O Sistema Cantareira que já foi objeto de reflorestamento abastece parte da Metrópole e revela que o sistema de raízes – que funciona como uma esponja – pode reduzir sensivelmente a erosão do solo, refazendo os sistemas e fornecendo água na seca, armazenando-a na cheia.

Finalmente devemos mencionar o programa de restauração de nascentes. O  Governo do Estado de São Paulo pretende com esse programa restaurar cerca de 20.000 nascentes em terras de propriedade da Companhia de Águas de São Paulo, a SABESP, para que se perpetue o ciclo entre as águas, as folhas e as copas das árvores que recolhem as gotas de água da neblina, deposita-as no solo da floresta, impregnando-o de umidade e vida.

Fica enfim marcada a importância deste estudo que nos mostra como devemos estar atentos à riqueza necessária e imprescindível dos espaços naturais preservados.

Cinturões Verdes não podem ficar à mercê de interesses particulares, de objetivos de lucros para poucos e muito menos de especulações imobiliárias ou de qualquer outra natureza que não esteja de acordo com as leis estabelecidas e com os estudos científicos, obtidos a duras penas, com o esforço de toda a comunidade e suas instituições.

 Julho 2022 / Heloisa Reis pelo Coletivo PanVerde

 

Sobre o autor

mm

Heloísa Reis

Artista visual e arte-educadora, pesquisa a linguagem da arte contemporânea e sua importância enquanto instrumento de transformação. “Pinta e borda”, constrói objetos e gosta de ler e escrever. Atua em grupos como MDGV, Transition da Granja e Grupo ArteJunto procurando aprender com eles a arte de refletir a cidadania.
www.encontrosheloisareis.blogspot.com

1 Comentário

Deixe um comentário