Colunistas Crônica Jany Vargas

Promete se comprometer?

Escrito por Jany Vargas

Ando na praia paulista e reparo que estamos quase todos no famoso “acima do peso”. Se pergunto para qualquer um: você quer emagrecer ? Acredito que todos dirão: sim!!!

Então por que não rola?

Descobri! É por falta de comprometimento.

Querer é uma coisa, se comprometer com o que se quer é outra.

Eu entrei nessa de me comprometer porque já tava entrando numa zona perigosa: gordura no fígado, pré-diabetes…e também porque levei a sério o que um psicólogo me disse : “ou para de falar que quer emagrecer ou emagrece, mas ficar repetindo que está gorda e não fazer nada, não dá!”

Eu sabia que era possível emagrecer porque quando viajei pelo Nepal e Índia por dois meses tinha emagrecido 7 quilos e quando voltei engordei 10!

Emagreci viajando porque andava muito, não comia queijo, nem chocolate – porque os dois não eram abundantes por onde andei – não tomei refrigerante por conta do acordo que fiz com minha filha (não tomo coca, ela não pega carona sozinha) e fazia quase que só uma refeição por dia para economizar. Voltando inverti tudo: Só andei de carro, tomei muito refrigerante (menos coca), queijo e chocolate sem freios. O ponteiro da balança apenas acompanhou o movimento.

Ou seja, ficou muito claro pra mim que gastar mais do que ingere é o canal, e também não comer muita gordura (chocolate e queijo). Só que é óbvio que também precisaria comer coisas saudáveis. Mudar o jeito de me alimentar.

Com a receita na mão só faltava me comprometer e foi isso que fiz. Viajei pra praia e coloquei a meta de ir ao rio próximo três vezes por dia. São 10 quilômetros e virei a louca da faxina. Casa lotada e eu limpando tudo o tempo todo. Em 10 dias assim emagreci dois quilos e meio, e depois mais um tanto. Ou seja, já foram 4 dos 10 que tinha engordado.

Só que aí ao voltar pra casa, já não tinha a praia para andar… e ainda falta tanto para emagrecer… o comprometimento foi relaxando…

Epâ! Hora de segurar o leme novamente… não deixar a peteca cair. Onde encontro uma injeção de ânimo? Não li a respeito mas com certeza deve ser típico essa fase de quase desistência… a inércia chamando pra patinar…

Bom, recobrei a coragem e continuo tomando as providências diárias. De vez em quando detono, mas retomo e estou apaixonada pelo comprometimento.

Ele é poderoso, não aceita auto-engano, torna a mente criativa pra buscar ideias pra tornar real aquilo que era antes abstrato.

Ah, lembrei agora como tudo isso aconteceu! Minha filha viajando conheceu Dan, um jovem polonês, que gostava de escrever os sonhos que tinha. Quando um deles se realizava, ele colocava o papel na carteira e se sentia bem quando a abria e via quantos sonhos já tinha realizado.

Quando Dan teve o sonho de viajar sem dinheiro pela Europa, perguntou para um amigo alguma dica e ele sugeriu que ele levasse algo para retribuir quando recebesse ajuda. Ele teve então a ideia de fazer um cartão onde estava escrito : “Qual é o seu sonho?” E quando pegava carona conversava com as pessoas sobre seus sonhos e dava esse cartão com seu e-mail. Um ano depois começou a receber várias mensagens de pessoas que tinham conseguido realizar seus sonhos.

Quando ouvi essa história pensei qual poderia ser meu sonho naquele momento e decidi que seria emagrecer. Li que essa é a resolução campeã de fim de ano nos EUA. Me senti meio boba de gastar meu cartucho de sonhos em algo assim, mas na verdade ter uma saúde melhor por conta de mudar o estilo de vida tem sido dez! Agora terminada essa missão quero me comprometer com outros sonhos! Afinal não tem vento a favor quando não se sabe para onde se está indo!

Acima: andando na praia atrás do sonho (foto: Alberto Lefèvre)

Sobre o autor

Jany Vargas

Transita no universo das Danças Circulares e é escritora. Escreve para levar ideias daqui para ali. Para contar histórias, falar do seu tempo, participar do diálogo, contribuir.

Deixe um comentário