Colunistas Educação Regina Pundek

Quem quer pão?

Escrito por Regina Pundek

O livro que em breve será lançado, PICOLÉ e SORVETE PARA TODOS, é uma coletânea de textos produzidos por mim e por educadores da escola com a intenção de divulgar possibilidades de mudança no mundo da educação. Surgiu lenta e determinadamente na medida em que nossa equipe se sentia numa ilha; percepção essa que gera desconforto porque nosso trabalho é estruturado na soma e não na exclusão. Falamos de um lugar metafórico onde além do pão, todos recebem também picolé e sorvete e, sonhamos essa educação ampliada para todas as crianças do nosso país e do mundo. Queremos que todos além de matar a fome com pão possam ter o sabor e a alegria da curiosidade respeitada que traduz a aprendizagem, aquela que realmente importa.

Aqui contamos sobre uma prática educativa que valoriza o respeito pela natureza humana e pelos relacionamentos, muito além das aprendizagens formais e conteudistas das escolas de nossos dias. Partindo de uma história real de vida, de uma necessidade sentida no coração, busquei com urgência conhecer novas direções. Ao me tornar mãe precisei entender o que é uma boa escola, e foi assim que abandonei a carreira de engenheira civil e mergulhei num mundo de buscas e reflexões na área da educação e da psicologia.

O movimento de produção literária foi sendo construído na validação dos tempos de cada um dos colaboradores e, por fim, exigiu que eu assumisse a função de maestrina desta pequena orquestra. Assim como picolés e sorvetes que têm muitos sabores, os capítulos aqui apresentados têm diversos autores, com formas de produção de textos peculiares; olhares diversos para uma escola. A Karina Silva foi quem além de produzir textos, sentou comigo tantas e tantas vezes me oferecendo o apoio de quem sonha junto. Sonhamos o desejo de contribuir para a melhoria da educação; desejamos conduzir o leitor à reflexão para uma nova postura: a educação que transforma para a vida.

Sabemos que a educação escolar no Brasil vive uma crise, constatada estatisticamente e também no pessimismo e conformidade de tantos professores. Certamente há aqueles que sonham a mudança, a transformação, a humanização da escola, contudo sentem-se amarrados por regimentos burocráticos antiquados, por grades curriculares, por datas de corte… Enfim, não sabem como romper com o velho modelo e fazer surgir no novo qualificadamente. Temos no Brasil uma Lei de Diretrizes e Bases que garante autonomia de trabalho às escolas.

O conhecimento dessa lei e de práticas inovadoras favorecerá que novos ímpetos ousem a mudança educacional que todos desejamos, e assim deixaremos para trás o sistema praticado há mais de um século.

Atualmente as escolas preocupam-se com os Métodos de Ensino, desempenhos no ENEM e número de aprovados no Vestibular. Nisso se declaram lacunas que precisam visibilidade e luz. Uma dessas lacunas é o sujeito aprendente, seus interesses, suas perguntas, suas competências, habilidades, sentimentos e desejos. Ouvi-lo e compreendê-lo é o passo inicial do caminho a ser percorrido pelo sujeito ensinante. Para isso é necessária a humildade de assumir o que não se sabe e, desconstruir uma velha história, esvaziar as malas para então recomeçar e reconstruir sobre novas bases, na certeza de que podemos mudar se cada um fizer a sua parte.
Outra lacuna é o momento sociopolítico ecológico no qual vivemos – ao avaliar essa questão com profundidade nos vem a clareza de que o profissional que as escolas desejam formar hoje não será a pessoa que o mundo vai precisar num futuro próximo. Urge mudarmos!

Queríamos um título para o livro que despertasse o interesse do leitor. A Karina e eu pensávamos e repensávamos como romper a simples PEDAGOGIA DO RESPEITO, que nos acompanhava desde o início da produção escrita. Bem, assim como a escola é a realização de um sonho e o livro também, o título PICOLÉ E SORVETE PARA TODOS veio num sonho, como não poderia deixar de ser, mas dessa vez um sonho no sentido literal. Acordei com o nome nos lábios e imediatamente compreendi o que minha psiquê me oferecia. Não queremos uma educação que somente dê pão para as crianças, queremos mais, muito mais. Queremos picolé e sorvete para todos. O picolé representa respeito e o sorvete, amor. O que vem além disso é muito, porque através do respeito e do amor existe escuta, acolhimento, escolha, autonomia, consenso, aprendizagem significativa, cidadania, sincronicidade planetária, vida.

Como maestrina dessa obra ouso pedir ao leitor que se deixe embalar por essa canção e depois busque em suas próprias notas, músicas e instrumentos o seu próprio jeito de fazer a mudança. Então sim, poderemos todos dançar alegremente ao ver que as crianças do Brasil afora terão pão, picolé e sorvete em abundância.

Ainda assim, a história não se encerrará porque acreditamos em mudanças permanentes, provocadas pela escuta e olhar para as crianças, famílias e toda a comunidade.

Serviço:

Lançamento do livro Picolé e Sorvete para Todos

Local: Livraria Nobel Granja Viana

Rodovia Raposo Tavares, 23 (The Square Open Mall)

Conto com a presença de todos os que se importam com a educação!

Sobre o autor

Regina Pundek

Escritora, Professora da Educação Infantil, Diretora Pedagógica,Psicopedagoga, Engenheira Civil, Educadora apaixonada pelo respeito ao Ser Humano.

Esposa, mãe, avó. Nascida em Santa Catarina e moradora da Granja Viana há 15 anos.

Deixe um comentário