Colunistas Daqui Heloísa Reis

Reflexões sobre viver a sétima década

mm
Escrito por Heloísa Reis

Desceeeendoooo… ?

Será?

Sensações, constatações, sinais de que a porta de saída está mais próxima e é real, existem mesmo…

A trajetória de vida é tão vasta, são tantas as lembranças, que percebemos que as coisas mudam mesmo que pareçam ser as mesmas… Nossa apreensão da realidade é que muda.

Pode ser que os sentidos, já não tão aguçados, desenvolvam-se mais internamente. As intuições tornam-se muito mais importantes, e as vontades mais controladas .

Já não se precisa provar nada a ninguém. Apenas precisa-se viver cada dia com sua qualidade especial , descobrir seu sabor de novidade e suas particularidades únicas mesmo que repetidamente.

Recursos criativos são a chave. Mudar hábitos frequentemente, lembrar de coisas, prestar atenção , buscar e re-buscar a vitalidade – são os segredos.

Terceira idade? Quarta ? Sem bengalas, ou com elas, o estímulo do encontro com a essência desenvolve ainda mais a intuição, aplica a sabedoria adquirida nos sucessos, nos fracassos, e nos sofrimentos, em busca da manifestação do mais alto grau do Amor. O incondicional. Pura sabedoria de integração do conhecimento adquirido com a vivência realizada.

O que há ainda por realizar? Onde encontrar a vitalidade necessária para a superação das conseqüências do tempo?

Na abertura às mudanças, pode ser uma resposta. Na busca do Amor Incondicional, outra. Na integração corpo-mente-espírito, talvez outra ainda.

Cada qual há de encontrar a sua.

Certo é que pintar, bordar, fazer estrepolias, escrever, passear, viajar, ousar, ler, etc. e tal, nos ajudam a mudar a visão de mundo e a aceitar a própria vida como ela é.

Preconceitos… para que os queremos? Deixemos o sol entrar e aquecer nossos corações na direção do outro – ser muito mais importante que nós mesmos!

Xô, hábitos arraigados! Liberdade para as borboletas! Transformações à vista!

Aceitação do que a vida apresenta. Superações de todos os sofrimentos. Consciência das energias angélicas sempre presentes e atuantes.

Buscar deixar o corpo mais leve… ligar-se à força maior do universo trazendo seu calor interno para fora, florescendo, tornando-se transparente , espírito à tona.

Envelhecer bem é possível! É o universo em transformação…

Subiiindoooo!

Ilustração : Obra da Artista. Da série “Conurbações.2002”. Cerâmica e tintas acrílicas sobre madeira.

Sobre o autor

mm

Heloísa Reis

Artista visual e arte-educadora, pesquisa a linguagem da arte contemporânea e sua importância enquanto instrumento de transformação. “Pinta e borda”, constrói objetos e gosta de ler e escrever. Atua em grupos como MDGV, Transition da Granja e Grupo ArteJunto procurando aprender com eles a arte de refletir a cidadania.
www.encontrosheloisareis.blogspot.com

Deixe um comentário