Colunistas Geni Albuquerque Jardinagem

Sementes da Liberdade

Escrito por Geni Alburquerque

Um dos maiores privilégios que ainda temos na Granja Viana e ao seu redor, é poder passear ao ar livre e encontrar animais silvestres em liberdade.

Longe de gaiolas ou jaulas, diferentes espécies de mamíferos, pássaros, répteis, insetos, frutos, flores e sementes passeiam entre as árvores e arbustos do quintal como se estivessem em uma floresta.

Nessas ocasiões podemos praticar o respeito pela biodiversidade, solidariedade e a liberdade no ir e vir sem fronteiras.

Durante o Inverno a nossa região recebe a visita de pássaros que vem de outras florestas e podem ser observados e admirados por sua beleza incomum.

 

 

 

E é quando uma pergunta surge no ar:
Por que a biodiversidade ainda consegue chegar à Granja Viana e região, apesar de sua destruição?

E a resposta está nas sementes!

Animais silvestres desempenham uma função vital para eles e que impacta diretamente em nossa qualidade de vida.

Ao se alimentarem de frutos, grãos, pólen, néctar e sementes, dispersam diferentes sementes em seu caminho.

Tal como na agricultura, em uma terra generosa como a do Brasil em que tudo o que se planta dá, as sementes ao germinarem e se desenvolverem em diversos locais abandonados ou ainda não ocupados por nós, permitem que a avifauna encontre alimento natural.

Como exemplo cito o Mamão ou Carica sp.

Quando você coloca um prato com as sobras do mamão que você comeu pela manhã para os pássaros em qualquer local em que eles não se sintam vulneráveis aos gatos, por exemplo, eles carregam consigo as sementes e as deixam pelo caminho durante o Inverno.

Com a chegada da Primavera, as sementes germinam, filhotes crescem por aqui e seguem o caminho feito por seus pais, dispersando mais sementes.

Quando a Carica sp. florescer pela primeira vez, trará para próximo de si Beija-flores e outros pássaros que carregarão pólen, que será atrativo para diversas espécies de insetos e, a partir deste momento, o mamoeiro passará a produzir frutos, ampliando a oferta de alimento natural.

Outras espécies da avifauna chegarão ao longo do Inverno, trazendo consigo sementes dos locais por onde passaram, deixando o seu próprio alimento em forma de sementes de diferentes tipos de árvores, como a Solanum mauritianum, palmeiras como o Euterpe edulis, arbustos como a Hamelia patens, reflorestando naturalmente áreas degradadas, gerando ainda mais alimento natural.

O interessante é que os pais incluem em seu caminho, o prato com frutas frescas que você colocou durante o Inverno e os filhotes incorporam o roteiro.

Isto não quer dizer de maneira nenhuma, que você domesticou a avifauna e por isso tem o direito de tocar os animais sejam eles quem forem, apenas significa que você foi solidário, criou uma zona de convivência e não de dependência entre vocês e contribuiu positivamente, para que os animais silvestres permaneçam em nossa região.

 

 

 

 

 

 

Ao permitir que as sementes cresçam e se transformem em árvores, palmeiras, arbustos e herbáceas, próximas à sua residência, você é premiado com a regulação da temperatura, redução da poluição sonora, filtração do ar, a presença de novas cores, aromas e sabores, além de dar a possibilidade de que novas gerações estejam visíveis ao seu olhar pela Granja Viana e região.
E com certeza você poderá afirmar com muito orgulho, que vive em uma casa na floresta.

Fotos e vídeos: Geni Albuquerque

Sobre o autor

Geni Alburquerque

Autodidata multidisciplinar. Sócia-proprietária da Taúna e consultora em paisagismo ambiental e jardinagem.

Blog: qualidadedevidaejardim.blogspot.com.br

Facebook:
• https://www.facebook.com/qualidadedevidaejardim
• https://www.facebook.com/Paisagismo-e-jardinagem-por-Geni-Albuquerque-393059724187938

Deixe um comentário