Colunistas Daqui Heloísa Reis

Uma opinião pessoal em tempos pré-eleitorais

Escrito por Heloísa Reis

A interminável série de escândalos que cresce a cada momento, com inúmeras chances de defesa, postergações e punições me faz refletir sobre o fato de que a aparelhagem estatal está em cheque, com um sem-número de fraturas expostas indicando que a “paciente” tomou uma surra e não sabe ao certo de quem.

Mas eu sei – e você também, caro leitor, que a democracia sem povo educado e capacitado para a participação é o sistema que mais permite aos mais “sabidos”, muitas vezes mal intencionados, que dele se apropriem para benefício próprio.

Uma análise da atual estrutura sistêmica partidária – base da democracia – não necessita de muita sabedoria para constatar que – com pouquíssimas exceções – não há conjunto de ideias, união ou coerência nas ações da maioria dos partidos atuais. Demonstram ser aglomerados de interesses – muitos escusos – totalmente distantes da intenção de administrar os recursos públicos que chegam até eles, em benefício de toda a sociedade. Sempre prevalecem os interesses de grupos. A decência até existe naquelas paragens mas fica tão longe do mínimo que nem a percebemos… Tem-se a ideia da generalização da desonestidade, infelizmente. A competência tem passado longe das decisões, as facções internas muitas vezes antagônicas entre si são carentes de lideranças autênticas. E por aí vamos sofrendo este imenso emaranhado da crise política e ética cujas consequências – gravíssimas – recaem sobre a autoestima e o ânimo da maioria dos cidadãos eleitores brasileiros. Que pena!

Contudo, a renovação é possível além de imprescindível.

E começa pelos partidos – bases da organização verdadeiramente democrática.

Nosso país que passou as últimas décadas ouvindo o discurso do tudo pelo social – sem contudo ver a sua educação tratada com o prestígio que merece – passou a viver a política da tutela, da proteção, da esmola dada, e não do ensino para a autossuficiência.

Instrumentos de iniciativas de criação, empreendedorismo, inovação e transformação de fato vêm sendo abafadas e/ou dirigidas a interesses de grupos e/ou curriolas invisíveis.

Como resultado estamos todos estupefatos ao constatar que o estado, além de ineficiente e corrupto ao extremo, está deformadamente agigantado, perdulário, incompetente e distante das realidades cidadãs.

Por estas razões venho a público nesta crônica com o propósito de apresentar uma proposta de procura.

Por que não refletir e procurar – até a c h a r – a melhor opção para as eleições que se aproximam?

Por uma questão de sobrevivência da alma brasileira temos que recuperar a alegria de sentir a união em torno dos grandes ideais, em programas de ação, em transparência nas atitudes acreditando que, se todos trabalharmos juntos, os ideais mais sublimes prevalecerão para benefício de todos. E, sabido é que a transformação e a atitude começam no indivíduo.

Assim, convido a você, leitor ou leitora, a procurar para poder escolher a renovação de fato. Vamos combater essa máquina viciada nas mesmas figurinhas, nos discursos polarizados, nas mesmas atitudes de acusação e defesa que vêm fazendo tão triste a nossa vida patriótica.

Vamos apoiar um partido verdadeiramente político – no sentido grandioso da palavra – que se paute como organização que não visa lucros para si somente, e sim os interesses dos cidadãos trabalhadores e produtores de riqueza deste país.

Palavras-chave para esta procura: programas de gestão, valores éticos, competência, inovação, aglutinação, mudança, honestidade, clareza de propósitos, distância de coligações escusas, autenticidade, trajetória, coerência, conhecimento, propostas, alinhamento de ideias, comprometimento, responsabilidade e muitas outras qualidades que sempre buscamos e procuramos cultivar em nós mesmos.

Podemos ver através de palavras e de atitudes com nosso espírito crítico e nossa observação intuitiva.

 

Imagem em destaque: “Ver Através“ Encáustica sobre papel cartão. HReis

                         

Sobre o autor

Heloísa Reis

Artista visual e arte-educadora, pesquisa a linguagem da arte contemporânea e sua importância enquanto instrumento de transformação. “Pinta e borda”, constrói objetos e gosta de ler e escrever. Atua em grupos como MDGV, Transition da Granja e Grupo ArteJunto procurando aprender com eles a arte de refletir a cidadania.
www.encontrosheloisareis.blogspot.com

Deixe um comentário