Colunistas Mila Poci Ponto de Vista

YESTERDAY: uma declaração de amor aos Beatles. Por uma crítica tendenciosa

Escrito por Mila Poci

E se… não existisse Coca Cola ou cigarros? Nada de errado! Teríamos um mundo mais saudável, provavelmente. Mas… e se os Beatles fossem apagados da história!? Desastre! Cataclisma!!! Não! Enquanto uma boa alma lembrar as canções dos garotos de Liverpool, o mundo estará salvo!

É a partir dessa ideia tão simples e ao mesmo tempo maluca, como se tivesse saído de um papo de bar (aliás, um pub inglês seria cenário ideal, regada a muita cerveja…) que surgiu Yesterday. Diversão garantida, principalmente para quem ama Beatles (e há quem não? suposição mais improvável que o bug mundial de 12 segundos, que é o ponto de início da história toda)

Danny Boyle (do premiado Quem Quer Ser Um Milionário?) dirigiu o filme mais encantador de 2019. Com um elenco predominantemente britânico e de caras não exatamente conhecidas do grande público, mas de simpatia enorme e jeito de gente comum, o diretor acertou em cheio ao mostrar que na verdade os protagonistas nem os próprios Beatles seriam, e sim seu repertório imortal. E, sim as músicas se tornam “personagens” em letra e melodia do filme. O efeito especial é delicado e tem ares de desenho animado, provando que o senso de humor pode estar em tudo. Principalmente se for inglês, colocado estrategicamente em algumas cenas.

Elas (as músicas) aparecem dia e noite, em qualquer lugar por onde Jack Malik (Himesh Patel), um músico medíocre de ascendência indiana, ande. É como um chamado, para que aquele sujeito simples e sem glamour algum as mantivesse vivas. Justo ele, que tem apenas uma pessoa amiga no mundo para confiar: a doce e sempre disposta Ellie (Lily James, a Cinderella do live-action de 2015).

Destino traçado, Jack vira astro, pelas mãos do também super gente boa Ed Sheeran, fazendo ele mesmo – nem precisava ser diferente! Ed tem fator fofura natural, coisa rara em pop stars em qualquer época. É o único famoso com participação efetiva no filme. James Corden também está lá, mas faz apenas uma ponta, o que evidencia mais ainda o quanto tudo aquilo é surreal para Jack. Então seguem-se clichês da indústria do entretenimento, empresários gananciosos, fãs enlouquecidos…e Jack. Bem, daqui pra frente é spoyler.

Enfim, se você quer relaxar de super produções cheias de heróis, violência gratuita e enlatados americanos, e ainda ter certeza de boa trilha sonora, emoções genuínas e ainda uma surpresa quase acreditável no final, não deixe para amanhã, vá assistir hoje mesmo Yesterday.

 

Sobre o autor

Mila Poci

Mila, granjeira de raiz, escreve desde pequena. Batizou este jornal aos 11 anos, no tempo em que era impresso em P&B. Depois, aos 16, escreveu um livro de contos, e seguiu na carreira de assessora de imprensa para a loja Casinha Pequenina. Trabalhou como roteirista do desenho Osmar e ama cinema, teatro e tudo que a faça pensa. Uma de suas características mais marcantes é o senso de humor, tema da palestra que ministra aonde precisar.

Deixe um comentário